Vieste: Jorge Debravo

//Vieste: Jorge Debravo

Vieste te juntar a minha alma
quando ela estava abandonada :
As portas destruídas, as cadeiras no canal,
As cortinas caídas, a cama em desordem
A tristeza cuidada como se fosse um vaso de flores.
Com as tuas mãos incansáveis,
Puseste todas as coisas em ordem
O olhar no seu lugar, no seu lugar a Rosa,
No seu lugar a vida, no seu lugar o colchão.
Limpaste as paredes com um pano molhado
com tua clara alegria, com tua juvenil doçura
Colocaste o rádio no lugar apropriado
E tiraste sangue e lixo da sala.
Puseste em fila todos os livros desaparecidos
E fizeste a cama no teu enorme olhar,
Acendeste as pobres lâmpadas apagadas
E deste brilho ao assoalho consumido de madeira .
Foste de repente enorme, grande, poderosa, forte:
Suaste e fizeste grandes esforços para lavar velhas coisas
Viste que na minha alma de excedente tinha a morte
E a lançaste no quintal com pedaços de espelho.


Jorge Debravo: Debravo nasceu em Guayabo, nas encostas do vulcão Turrialba, na Costa Rica. Ele era o mais velho de cinco filhos, onde passou os primeiros anos ajudando seu pai, Joaquín Bravo Ramírez, a gerenciar uma pequena milpa. Debravo foi ensinado a ler e escrever por sua mãe, Cristina Brenes e, aos quatorze anos, conseguiu ingressar na quinta série graças a uma bolsa de estudos. O primeiro livro que ele comprou foi um dicionário.


2018-11-14T10:05:56+00:00

Sobre o Autor:

Rainer Maria Rilke, Oscar Wilde, Max Ehrmann, Derek Walcott, Wislawa Szymborska, Vinicius de Moraes, Marla de Queiroz, Antonio Calloni, Isa Blue, Rosana Pétala, Paulinho Moska, Fabrício Carpinejar, Necka Ayala, Ira Etz, Eça de Queiroz, entre outros.

Deixar Um Comentário