Insignificâncias – Manoel de Barros

//Insignificâncias – Manoel de Barros

Sou livre para o silêncio das formas e das cores.
Só quem está em estado de palavra pode enxergar as coisas sem feitio.
A poesia não existe para comunicar, mas para comungar.
A palavra é o nascedouro que acaba compondo a gente.
A palavra amor anda vazia. Não tem gente dentro dela
Melhor ser as coisas do que entendê-las.
Poderoso para mim não é aquele que descobre ouro. Para mim poderoso é aquele que descobre as Insignificâncias (do mundo e as nossas).


Manoel de Barros, nasceu Manoel Wenceslau Leite de Barros (Cuiabá, 19 de dezembro de 1916 — Campo Grande, 13 de novembro de 2014) foi um poeta brasileiro do século XX, pertencente, cronologicamente à Geração de 45, mas formalmente ao pós-Modernismo brasileiro, se situando mais próximo das vanguardas europeias do início do século e da Poesia Pau-Brasil e da Antropofagia de Oswald de Andrade. Com 13 anos, ele se mudou para Campo Grande (MS), onde viveu pelo resto da sua vida. Recebeu vários prêmios literários, entre eles, dois Prêmios Jabutis e foi membro da Academia Sul-Mato-Grossense de Letras.É o mais aclamado poeta brasileiro da contemporaneidade nos meios literários. Enquanto ainda escrevia, Carlos Drummond de Andrade recusou o epíteto de maior poeta vivo do Brasil em favor de Manoel de Barros. Sua obra mais conhecida é o “Livro sobre Tudo” de 1996.

2019-01-15T09:13:17+00:00

Sobre o Autor:

Sheyla de Castilho
Sheyla de Castilho é produtora cultural, cenógrafa, artista visual, atriz e performer. Poeta. Entusiasta do acaso, de idéias mirabolantes, parcerias intuitivas e afetos transcendentais, na Vênus Digital atua como Produtora de Conteúdo, Gerente de Mídias Sociais e acima de tudo, propagadora do Amor em toda sua amplitude.

Deixar Um Comentário